obras

A singeleza (embora forte) do principio do pau-a-pique, quando Fernando usa o pigmento cor de terra para o papel reciclado fazer composição ancestral com um feixe de lenha. Simples e natural.

Basta uma geometria traduzida em grafismo simplificado, seja numa sequência de sementes, seja em arranjo de pregos como pontos de partida. Ou linhas repetidas, simples linhas repetidas sobre um velho graveto um dia recolhido da estrada…Na obra, o individual, seja no traço, na amarração, no recorte, é sempre reconhecível. Mas às vezes o trabalho é feito a dois. Como a concepção de cada peça : sempre fruto da linguagem comum, nascida tribal, com cheiro de terra, ligadas às origens.
 
Todas as coisas cujos valores podem
ser disputados no cuspe à distância
servem para poesia
O homem que possui um pente
e uma árvore
serve para poesia
Um chevrolé gosmento
Coleção de besouros abstêmios
O bule de braque sem boca
são bons para poesia
As coisas que não levam a nada
têm grande importância
…O que é bom para o lixo é bom para a poesia
Manoel de Barros, Matéria de Poesia